sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

História da doutrina da Tri-unidade- Gino Iafrancesco

História da doutrina da Tri-unidade


O MONARQUIANISMO

A ORIGEM DO MONARQUIANISMO

Certamente que o gnosticismo foi a grande heresia do século II, a heresia mais importante do século terceiro foi o monarquianismo. A doutrina do Verbo dos apologistas, os chamados pais anti-gnosticos e dos pais alexandrinos (entende-se por pai, os irmãos que ocuparam posição na igreja do período apostólico) não produziu uma satisfação geral. Ao que parece, uma grande parte das pessoas comuns via esta doutrina com certa duvida, já que parecia que afetava seus interesses teológicos ou cristológicos, onde o interesse teológico era mais forte, a doutrina do Verbo como Pessoa divina separada, parecia por em perigo a unidade de Deus ou do monoteísmo; e onde o interesse cristológico estava em primeiro plano, a idéia que o Verbo estava subordinado ao Pai parecia comprometer a deidade de Cristo.

TRINDADE OU TRI-UNIDADE?

O termo “trindade” vem sendo usado faz aproximadamente mil e seiscentos anos, para tentar explicar a natureza de Deus. Quando os cristãos usam a palavra trindade (três), inconscientemente comunicam aos ouvintes um conceito politeísta. A palavra “trindade” foi cunhada a fim de referir-se à pluralidade que há em Deus, ao mesmo tempo em que manteria o pensamento da unidade divina. Foi uma escolha bem intencionada, mais infeliz.

Os termos “tri-unidade” ou “triuno” transmitem a idéia de que Deus é um só, ao mesmo tempo em que consiste em três pessoas.

A HISTÓRIA DA TRI-UNIDADE

Houve três correntes de estudiosos da bíblia que defenderam e tentaram implantar a teologia bíblica. Vejamos.

1. OS APOLOGISTAS: a pressão externa e interna exigia a defesa e exposição clara da verdade, dando assim origem à teologia. Por esta razão, aos primeiros pais (termo usado para os primeiros líderes que tiveram contato com os apóstolos do Senhor Jesus) que assumiram a defesa da verdade foram chamados de “apologistas”. Eles dirigiram suas apologias em parta aos governantes e em parte ao público que discutia as coisas. Seus objetivos imediatos eram o de apaziguar o temperamento das autoridades e das pessoas em geral que se diziam cristãs, e intentaram faze-lo estabelecendo seu verdadeiro caráter, e refutando as acusações proferidas contra o cristianismo; os apologistas estavam particularmente preocupados por fazê-lo aceitáveis às classes instruídas. Com este propósito, representaram o cristianismo com a mais elevada e mais segura filosofia, e puseram especial ênfase nas grandes verdades da religião natural: Deus, virtude e imortalidade, e falaram deles como o cumprimento de toda a verdade que se falava no judaísmo e fora dele. O trabalho dos apologistas foi feito em três áreas; a) Defensivo; b) Ofensivo e c) Construtivo. Defenderam o cristianismo mostrando que a vida e caráter dos que professam a fé cristã está marcada pela pureza moral. Acusaram aos judeus de um legalismo que perdia de vista o caráter tipológico; os acusaram de uma cegueira que os impedia de ver que Jesus era o Messias prometido pelos profetas. Atacaram ao paganismo denunciando o caráter indigno, absurdo e imoral da religião pagã; e particularmente a doutrina de seus deuses, em comparação com a unidade de Deus. Finalmente, sentiam que estavam incumbidos de estabelecer o caráter do cristianismo como a revelação positiva de Deus.

2. OS ANTI-GNOSTICOS: eles consideravam que o erro fundamental dos gnosticos estava em separar o Deus verdadeiro do Criador, o que qualificavam como uma concepção blasfema instigada pelo diabo. Pelo que enfatizaram o fato de que há sim um só Deus, que é também o Criador e Redentor, que deu a Lei e que também revelou o Evangelho. Este Deus é um e trino, uma só essência que subsiste em três pessoas.

3. OS ALEXANDRINOS: assim como em um século anterior, a sabedoria religiosa judaica se combinou com a filosofia helênica para produzir o tipo de pensamento representado por Filon, da mesma maneira nos séculos segundo e terceiro a sabedoria helênica e as verdades do Evangelho se combinaram, de uma maneira realmente surpreendente, para dar origem à teologia do tipo alexandrino. O intento empreendido por proeminentes teólogos foi utilizar as mais profundas especulações dos gnosticos na construção da fé da igreja. Para eles, ressurreição à interpretação alegórica da bíblia. As verdades da religião cristã foram convertidas em ciência.

O MONARQUIANISMO

Certamente que o gnosticismo foi a grande heresia do século II, a heresia mais importante do século terceiro foi o monarquianismo. A doutrina dos apologistas, dos anti-gnósticos e dos também chamados de pais alexandrinos não produziu uma satisfação geral. Parece que uma grande parte do povo comum via com duvidas esta doutrina, já que parecia que afetava seus interesses teológicos ou cristológicos. Onde o interesse teológico era mais alto, a doutrina do Verbo como Pessoa divina separada, parecia por em perigo a unidade de Deus, o monoteísmo; e onde o interesse cristológico estava em primeiro plano, a idéia que o Verbo estava subordinado ao Pai parecia comprometer a deidade de Cristo.

No decorrer do tempo os eruditos tomaram nota das duvidas do povo, e se propuseram a salvaguardar a unidade de Deus e a deidade de Cristo. Este deu lugar a duas formas de pensamento, às quais se denominou de Monarquianismo (nome que, pela primeira vez, foi dada a Tertuliano), ainda que estritamente falando, seria justo o aplicar somente a aquele tipo em que o interesse teológico é mais importante. Apesar de ser inapropriado, este termo segue em uso até o presente, para designar ambos tipos de monarquianismo.

· MONARQUIANISMO DINAMICO: Estava principalmente interessado em preservar a unidade de Deus, e estava completamente alinhado com a heresia Ebionita da igreja do primeiro século como também com o unitarianismo de hoje (seita criada no I século, por cristãos judeus, se caracterizava por ser composta principalmente por opositores ao apostolo Paulo, e era do tipo farisaico. Suas opiniões de Cristo eram que, Jesus era um homem normal, e que só se diferenciava dos demais homens, por que tinha maior sabedoria e retidão. Por esta razão Deus O escolheu para libertar o mundo do pecado; sendo que, o Cristo desceu sobre Jesus no batismo, como pomba, e o abandonou lá na cruz). As opiniões deles eram baseadas nas Escrituras e nas tradições. Vejamos alguns pontos que eles criam:

- O Verbo de Deus foi realmente consubstancia com o Pai, porém não era uma pessoa distinta na deidade. O Verbo podia ser identificado com Deus porque existia em Deus, assim com a razão humana existe no homem. O Verbo era meramente um poder impessoal presente em todos os homens, mas particularmente ativo no homem Jesus. Este poder divino, havendo penetrado progressivamente na humanidade de Jesus, de um modo que não o fez em nenhum outro homem, o deificou gradualmente, posto que o Jesus homem foi deificado, é digno da honrar divina, ainda que quando não se possa ser considerado como Deus no sentido estrito da palavra. Com esta formulação da doutrina do Verbo, era então sustentado que a unidade de Deus implicava, tanto unidade de pessoa como unidade de natureza.
- Diziam que o Verbo e o Espírito Santo eram meramente atributos impessoais da deidade.
- Defendiam o unitarianismo, ou seja, só um Deus e uma só pessoa.
- Defendiam principalmente, a humanidade de Jesus.

· MONARQUIANISMO MODALISTA, TAMBÉM CONHECIDA DE SABELIANISMO: foi denominado de modalista, porque concebia as três Pessoas da Deidade como diferentes modos em que Deus se manifesta. A grande diferença do M. Modalista com o M. Dinâmico está em que o M. dinâmico sustentava a verdadeira deidade de Cristo. O Monarquianismo Modalista foi muito mais influente. Interessava também em manter a unidade de Deus. Porém seu interesse primordial parecer ter sido cristológico, a saber, preservar a completa divindade de Cristo. Vejamos alguns pontos que eles criam:

- Criam nas três pessoas da deidade como diferentes modos em que Deus se manifesta na criação, na encarnação e na regeneração.
- Seu interesse principal parece haver sido cristológico, a saber, preservar a completa divindade de Cristo. No vaguear dessa seita, alguns chegaram a dizer que “o Pai chegou a nascer, sofrer e morrer;” outros disseram que “o Pai, mediante a mudança em seu modo de existir, literalmente chegou a ser filho de si mesmo”. Dizia que “quando o Pai ainda não havia nascido, Ele foi corretamente chamado, O Pai; porém quando submeteu ao nascimento, chegou a ser o Filho de si mesmo”.

A DOUTRINA DA TRI-UNIDADE

PONTOS DA CONTROVERSIA TRINITÁRIANA:

- O monarquianismo (Deus se manifestando de forma diferente em diferentes épocas, a cristologia, a unicidade de Deus, descrença do nascimento virginal),
- A teoria de que, o Pai e o Filho são substâncias pessoais;
- A doutrina da eterna geração, que implicava em subordinação do Verbo a Deus;
- A doutrina de que o Espírito Santo está subordinado ao Verbo e que foi também criado por Ele;
- A doutrina de que as três pessoas da tri-unidade eram de essência semelhante, porém não iguais;
- A doutrina da criação do Verbo;

Todos estes pontos são refutados. Os textos bíblicos são bem claros a este respeito; temos que cuidar bastante com as palavras no texto original, pois elas vão nos mostrar o verdadeiro sentido da palavra.

ECHAD OU YACHIYD

ECHAD

É uma palavra hebraica que fala de um, mas de um “um coletivo”; é um substantivo coletivo, é um substantivo que demonstra unidade; fala de uma unidade que contém varias unidades. É esta palavra que é usada para exprimir a unidade composta de DEUS. Existe uma pluralidade dentro da unidade de Deus; veja os exemplos:

- Deuteronômio 06: 04 e 05 - Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR.
- Gênesis 01:05 - Chamou Deus à luz Dia e às trevas , Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia. (está relacionado a dia e noite)
- Gênesis 02:24 - Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne. (está relacionado a os dois)
- Números 13:23 - Depois, vieram até ao vale de Escol e dali cortaram um ramo de vide com um cacho de uvas... (está relacionado as uvas no cacho).
- Esdras 02:64 - Toda esta congregação junta foi de quarenta e dois mil trezentos e sessenta".
- Jeremias 32:38 e 39: - Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus. Dar-lhes-ei um só coração e um só caminho...

YACHIYD

É uma outra palavra hebraica que fala de um, só que agora fala de um “um absoluto”. Veja os exemplos:

- Gênesis 22:2 - Toma teu filho, teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; oferece-o ali em...
- Salmo 22:20 - Livra a minha alma da espada, e das presas do cão a minha vida. (única vida)
- Juízes 11:34 - Vindo, pois, Jefté a Mispa, a sua casa, saiu-lhe a filha ao seu encontro, ..., e era ela filha única;
- Amós 8:10 - ...Farei que isso seja como luto por filho único.
- Zacarias 12:10 - ... Olharão para mim, a quem traspassaram; pranteá-lo-ão como quem pranteia por um unigênito.

PLURALIDADE NO NOME DE DEUS

As palavras EL e ELOHIM, foram traduzidas do hebraico para o português com D maiúsculo “Deus”. No hebraico, essas palavras significam ambas “Todo-poderoso”. El é a forma singular enquanto que Elohim é a forma plural da palavra Deus. Em Êxodo 20:2 e 3 diz: “Eu sou o Senhor teu Deus... Não terás outros deuses diante de mim”. A palavra traduzida para Deus e deuses é a mesma, portanto é como se o versículo ficasse assim: “Eu sou o Senhor Teus Deuses, não terás outros deuses diante de mim”. No hebraico isso é possível, porém, não no português.

Vejamos alguns exemplos em Gênesis:

- 1:26 e 27 - Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem conforme a nossa semelhança... Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, á imagem de Deus o criou: homem e mulher os criou.
- 3:22 e 23 - ...Eis que o homem se tornou como um de nós... O Senhor Deus, por isso, o lançou fora do jardim do Éden.
- 11:7 e 8 - Vinde, desçamos, e confundamos ali a sua linguagem...

TRI-UNIDADE OU POLITEÍSMO

Temos que tomar bastante cuidado para não confundirmos a tri-unidade com politeísmo. O que faz um Deus ser Deus é o fato Dele não ter começo e nem fim e ter um só propósito. Nos deuses da mitologia grega, vemos muitos deuses criados e não gerados e com propósitos os mais diversos. Na tri-unidade divina, vemos os aspectos de um só propósito nas três pessoas e também vemos o fato de ser gerado; nascido, porém não criado. Se prestarmos bastante atenção nas palavras, veremos isto mui claramente.

JESUS É DEUS:

- Salmo 45:6 e 7: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; cetro de eqüidade é o cetro do teu reino. Amas a justiça e odeias a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria, como a nenhum dos teus companheiros.
- Salmo 110:1 - disse o Senhor ao meu Senhor: assenta-te a minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.
- Gênesis 19:24 - Então fez o Senhor chover enxofre e fogo, da parte do Senhor, sobre Sodoma e Gomorra.
- Isaías 9:6 e 7 - Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz, para que se aumente o seu governo, e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça, desde agora e para sempre. O zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto.
- João 10:30 - Eu e o Pai somos um.
- Mateus 3:16 - Logo que foi batizado, Jesus saiu da água. O céu se abriu, e Jesus viu o Espírito de Deus descer como uma pomba e pousar sobre Ele. E do céu veio uma voz, que disse: -Este é o meu Filho querido, que me dá muita alegria!

O ESPÍRITO SANTO PROCEDE DE DEUS O PAI:

- Gênesis 1:2 A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas.
- Êxodo 35:31 e o Espírito de Deus o encheu de habilidade, inteligência e conhecimento em todo artifício,

O ESPÍRITO SANTO PROCEDE DE DEUS O FILHO:

- Atos 16:7 defrontando Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu.
- Filipenses 1:19 Porque estou certo de que isto mesmo, pela vossa súplica e pela provisão do Espírito de Jesus Cristo, me redundará em libertação,
- João 14:26 mas o Consolador o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito
- João 16:7 - Mas eu vos digo a verdade convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei.

QUEM VEREMOS NO CÉU?

Temos que tomar cuidado com afirmações precipitadas. Temos que nos lembrar que hoje somos pessoas limitadas dentro do tempo e espaço. Quando deixarmos este corpo ou quando ele for transformado não estaremos sujeitos às limitações da carne. Temos também que considerar que o Filho sempre foi aqui na terra a manifestação de Deus. Sempre que Deus se manifestou, isso foi feito na pessoa do Filho. Deixaremos apenas alguns versos aqui.

- Apocalipse 5:13 - Então ouvi todas as criaturas que há no céu, na terra, debaixo da terra e no mar, isto é, todas as criaturas do Universo, que cantavam: "Ao que está sentado no trono e ao Cordeiro sejam dados o louvor, a honra, a glória e o poder para todo o sempre!"
- Apocalipse 4:5 - Do trono saíam relâmpagos, estrondos e trovões. Diante dele havia sete tochas acesas, que são os sete espíritos de Deus.
- Hebreus 1:3 - O Filho brilha com o brilho da glória de Deus e é a perfeita semelhança do próprio Deus. Ele sustenta o Universo com a sua palavra poderosa. E, depois de ter purificado os seres humanos dos seus pecados, sentou-se no céu, do lado direito de Deus, o Todo-Poderoso.

O RESULTADO FINAL: A trindade de pessoas. Cada uma das três pessoas possui a essência inteira e é, por tanto, idêntica com a essência e com cada uma das outras pessoas. O Pai se caracteriza por ser “não gerado”, o Filho por ser “gerado” e o Espírito Santo por “proceder”. A relação entra as três pessoas se descreve como uma relação de “mútua interpenetração ou de existência recíproca sem, no entanto, se misturarem”.

Autor: Gino Iafrancesco

3 comentários:

Jânio disse...

Queridos irmãos em Nome do Senhor Jesus Cristo. Alguém tocou sobre a doutrina dos Apostolos e dos Profetas na Igreja Primitiva. Qual éra o Nome da igreja Primitiva???? Eles não tinham uma DENOMINAÇÃO para dominar, ou seja eles não tinham uma cerca ao redor deles para ficar somente alí, eles eram livres. É como a Palavra de Deus fala claramente se o Filho vos libertar verdadeiramente sereis livres. Vejo as pessoas que se dizem cristães presas em suas DENOMINAÇÕES. E o pior haverá um "Concílio" que unirá a todas elas. Quase ninguém percebeu sobre esse tal de "ESTATUTO" que um tempo atrás.Foi justamente o começo disso. Ou seja todas as DENOMINAÇÕES tiveram que fazer isso. Pois haverá um "CONCÍLIO ECUMÊNICO MUNDIAL DE IGREJAS" futuramente que unirá todas as DENOMINAÇÕES prostestantes com a Igreja Católica. Apocalipse 17, 18 e 19. Onde passo vejo as pessoas falando da Denominação, mas não sai de lá. A ordem de Deus é sai dela povo meu, para não serdes participantes de seus pecados e de suas pragas. Mas sair de onde??? Sair de toda a confusão RELIGIOSA que confronta as santas escrituras. Pois quem não sair vai ficar no "RAPTO". Deus estar em busca de verdadeiros adoradores não de adoradores de sistemas DENOMINACIONAL não de adoradores de PASTOR "A" ou "B". Mas de adoradores que estão dispostos até a morrerem pela PALAVRA. Foi por isso que Jesus Cristo morreu e seus Apostolos, eles não morreram por uma DENOMINAÇÃO. Eles morreram justamente porque não tinham uma DENOMINAÇÃO. Isso veio de Roma no 3º Século com a implantação da Doutrina da TRINDADE. Essa doutrina fez com que + de 68 milhões de pessoas morresem e será justamente essa doutrina que unificará as DENOMINAÇÕES e novamente matará cristão na Grande Tribulação. Que Deus tenha misericórdia de todos que estão revoltados com suas DENOMINAÇÕES e que possam sair de TODO engano religioso que confronta as santas escrituras. Amem!!! Que Deus abençoe a todos que lerem esse tópico, pois escrevi com grande dedicação em Cristo Jesus para todos que participa desta comunidade!!!

Jânio disse...

A doutrina da TRINDADE ou TRINITARISMO não é + que dizer que será a marca da besta 666. Foi por causa dessa doutrina que no decorrer das eras da igreja + de 68 milhões de pessoas foram mortas por não aceitar essa doutrina e será essa doutrina que matará novamente na Grande Tribulação. Mateus 24:9. Amem!!!

Márcio Gomes disse...

Irmão Gino!

Estou reavaliando esta questão da triunidade, visto que este conceito que para mim era uma verdade indiscutível, veio a se tornar uma grande dúvida e uma "provável" distorção dos escritos sagrado. Quanto mais tenho me aprofundado neste estudo mais longe vai ficando para mim o entendimento da trindade como um conceito bíblico. Ao ler este seu artigo, percebi que muitos pontos carecem de um aprofundamento melhor para se chegar a uma definição mais correta sobre o que a bíblia está dizendo sobre quem é Deus. Sugiro que o irmão acompanhe o site de um irmão chamado Valdomiro que pertence a uma "denominação" trinitarista e que ao aprofundar esta questão abandonou o conceito triunitário. o link é este: www.unitarismobiblico.com.

Em nome do nosso Senhor Jesus Cristo.
Márcio Gomes

Irmãos em Cristo Jesus.

Irmãos em Cristo Jesus.
Mt 5:14 "Vós sois a luz do mundo"

Arquivos do blog